Ciclo de debate “Escritos 50 anos” – Lugar de Fala

Vídeo Ciclo de debate “Escritos 50 anos” – Lugar de Fala

Beatriz Santos (Paris 7)
“Para um outro, como outra, por um outro: uma reflexão sobre a interlocução e o lugar de fala a partir dos Escritos.”

Léa Silveira (UFLA)
“Assim é a mulher por trás de seu véu? Questionamentos sobre o lugar do significante falo na fala de mulheres leitoras dos Escritos.”

Miriam Debieux (PUC/USP)
“A fala roubada e seus destinos.”

Mediação:
Pedro Ambra

Dando início ao ciclo de debates sobre o cinquentenário da publicação dos Escritos de Jacques Lacan e sua atualidade, a Lacuna: uma revista de psicanálise convida todos e todas para nossa primeira mesa, que discutirá a questão do ‘Lugar de Fala’.

O termo tem ganhado uma importância cada vez maior nos debates dos movimentos sociais (feministas, negros, LGBTs, entre outros), sublinhando a importância de pessoas de grupos minorizados ocuparem lugares de fala; e, mais ainda, de que possam fazê-lo narrando suas vivências de exclusão, compreendendo-se como sujeitos marcados por uma experiência, e não a partir da ilusão de um sujeito do conhecimento universal. A reivindicação desses grupos é, curiosamente, tornar a fala uma espécie de direito fundamental, o que numa análise é levado às últimas consequências. Entende-se, assim, que toda fala parte de um lugar demarcado; que todo enunciado carrega uma enunciação e que, mais ainda, reproduz em ato uma hierarquia (social, de gênero, de raça e classe, para alguns; ou da ordem do significante, para outros).

Sendo lugar, fala, enunciado, enunciação, reconhecimento e narrativa de si questões centrais tanto para a política quanto para a psicanálise, convidamos três leitoras de Lacan para discutirem as diferenças e cruzamentos entre esses dois campos à luz dos Escritos e de seus 50 anos de publicação.

Anúncios